Como usar a crise econômica a seu favor

Descubra maneiras de como extrair o máximo do período de crise econômica e obter ainda mais resultados para sua empresa!

 

A economia acontece em ordem cíclica e alterna etapas nas quais se expande e etapas nas quais se contrai – essas oscilações são chamadas de ciclo econômico.  A fase em que há queda dos indicadores econômicos é denominada “depressão” e é nela que ocorre a crise.

 

O que é a crise?

Uma crise econômica faz referência a um período de escassez a nível da produção, da comercialização e do consumo de produtos e serviços. A crise econômica está forçando empresas a se adaptar a tempos de redução de custos e apertos financeiros. Mas há exceções.

Mas como atrair o consumidor em tempos de escassez de dinheiro?

Conforme orienta Luiz Carlos Bohn, para vender mais, é preciso ganhar da concorrência já que na crise, as vendas agregadas estão em queda. Além de melhorar o que já se fazia, é necessário inovar com criatividade. Enquanto uma parte enxuga os negócios, outra faz o caminho inverso: investe em tecnologia mirando tempos melhores, por meio da automatização de processos internos e externos.

É possível ter experiências positivas sem aumento de custos?

As empresas precisam entender que com a popularização da internet e dos smartphones, os canais para atingir clientes passaram a ser inúmeros, ultrapassando o tradicional contato físico na loja. Aproveitando o contexto tecnológico citado, as empresas devem potencializar sua presença em redes sociais, personalização e atendimento de qualidade.

Além disso, softwares de gestão ajudam empresas a passar por crises econômicas e podem ser aliados eficientes de companhias de qualquer porte. Há a necessidade de investimento para ter um software confiável e de qualidade, porém o retorno é garantido.

Quais os benefícios dessa tecnologia?

O mais comum entre os sistemas de gestão é o Enterprise Resource Planning (ERP). Segundo o professor Lawrence Koo, os sistemas trazem maior controle às operações, dando uma visão em tempo real dos indicadores de desempenho das funções vitais de gestão.

Para entender os benefícios de um sistema de gestão integrada (ERP Suíte), é preciso imaginar aqueles processos manuais, demorados, burocráticos, que exigem a movimentação de muitos profissionais em uma empresa. Ricardo Chisman, líder de technology consulting da Accenture afirmou:  “Um ERP automatiza todos esses procedimentos em menos tempo, e com agilidade e eficiência. Faz o processo ganhar dinamismo, diminui as margens de erro e entrega ótimos resultados”,

O software pode substituir trabalhos repetitivos e operacionais, o que reduz custos e aumenta a produtividade

Sobrevivência à crise

O consultor financeiro Luis Fernando Moreira cita alguns passos para sobreviver à crise:

Passo 1: Identifique as causas.

Em um cenário de crise, a identificação das causas é fundamental, pois só assim você poderá combater o mal na raiz, eliminando uma possível fonte de desperdício, que é por onde o capital da empresa vem escapando. Aí que se insere os sistemas de gestão para auxiliar na obtenção de relatórios e extração de informações sobre a situação da empresa.

Passo 2: Avalie as alternativas.

As alternativas para enfrentar a dificuldade financeira na empresa variam conforme o problema em curso e também de acordo com a atividade desenvolvida, pois nem todas elas se aplicam da mesma maneira a qualquer ramo da economia.

Passo 3: Reveja estratégias, ajuste o planejamento.

Diante da crise, o empreendedor deve analisar friamente como chegou até essa situação e, a partir daí, redefinir seu plano de negócios, podendo tomar ações como:

  • Estipular metas possíveis, em consonância com a realidade do mercado;
  • Monitorar se o plano de negócios está sendo seguido – caso contrário, redirecionar as ações;
  • Verificar se o plano de marketing está atingindo seu público-alvo;
  • Rever as condições de vendas e de compras, adequando-as à realidade do mercado.

Passo 4: Construa e execute um plano de ação.

Esse plano é baseado na situação identificada no passo 1, ou seja, as causas que trouxeram a empresa para o atual cenário desfavorável.

A dica é implantar meios de gestão ainda mais severos para não abandonar o controle financeiro.

Pensar fora da caixa

O empresário Eduardo Junqueira afirma que tudo é questão de saber adaptar seu produto aos novos hábitos dos clientes que estão sofrendo com o processo da crise do mercado. Segue um exemplo citado por ele: “Imagine que você tem uma autopeça com oficina de carros e percebe que o juros do país vão aumentar bastante e, consequentemente, os juros dos carros, o que puxa para cima todo o mercado de automóveis: carros zero e usados sobem os juros quando aumenta a selic. Logo, pela lógica, o mercado de compra de carros esfriaria, provavelmente as pessoas ficariam mais tempo com seus carros e isso, consequentemente, demandaria mais manutenção e cuidado com os carros, o que pode ser uma excelente oportunidade para você oferecer um produto e serviço adequando a esses clientes, solucionando a frustração deles de não ter um carro zero, mas um usado com características de zero.”

Eduardo Junqueira finaliza dizendo que nada melhor do que se antecipar ao mercado com boas informações e deixar no gatilho sua estratégia vencedora. Assim, o empresário estará criando oportunidades na crise e aproveitando a lacuna que os concorrentes vão deixar por não saberem como se posicionar perante os novos hábitos dos clientes.

Escrito por Thaís Viana.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.