O que eu gostaria de saber sobre tratamento de efluentes e ninguém me contou?

Como começar?

O primeiro passo para iniciar o tratamento de efluente industrial é a realização de análises que nos mostram quais componentes precisam ter suas concentrações diminuídas de acordo com a legislação vigente. Para isso, é importante que as amostras coletadas sejam bem representativas, ou seja, retratem a pior condição do rejeito, dado que este pode sofrer variações de composição e volume. O efluente pode ter poucos componentes, mas isso não significa que seu tratamento será simples.

Quais tratamentos utilizar?

Existem diferentes tipos de processos de tratamento: tratamento físico-químico, tratamento biológico anaeróbio e tratamento biológico aeróbio. A escolha do processo mais eficiente se dá pela razão entre as demandas química e biológica de oxigênio (DBO e DQO), como mostra a Figura 1.

Figura 1 – Nível de eficiência dos tratamentos em função da DBO/DQO

A Figura 1 nos mostra que se a relação DBO/DQO estiver entre 0,1 e 0,5 o tratamento biológico aeróbio é o mais eficiente, já se a razão for maior que 0,5 é preferível a implantação do tratamento biológico anaeróbio e, por último, para uma relação menor que 0,1 é indicado o tratamento físico-químico.

Em geral, em uma estação de tratamento de efluente (ETE) são essenciais mais de um tipo de tratamento, a depender da complexidade do resíduo. Cada etapa do processo decorre da caracterização do efluente que ela recebe, pois o dimensionamento dos equipamentos depende da composição do que será tratado. As análises completas para esta caracterização são caras e, na maioria das vezes, são necessárias várias delas em diferentes pontos do processo.

Quais os eventuais problemas?

Infelizmente não é possível tratar corretamente, ou até mesmo, eliminar todos os poluentes e resíduos gerados em um processo industrial. Alguns irão para descarte, mas vale ressaltar que existem formas adequadas de fazê-lo. Aliás, o próprio processo de tratamento gera resíduos que vão para aterro ou são queimados. Por exemplo, no processo de tratamento biológico anaeróbio ocorre a formação de gás metano que é posteriormente queimado.

Há, também, o risco que a sua empresa pode ter de acordo acordo com o Decreto nº 45.181 que dispõem por meio da Lei 18.031 multas variáveis de R$50,00 (cinqüenta reais) a R$50.000.000,00 (cinqüenta milhões de reais), corrigida periodicamente, com base nos índices estabelecidos na legislação pertinente.

A solução:

De fato, há certa complexidade em iniciar uma estação de tratamento, por isso a ConsultEQ está à disposição dos nossos clientes para realizar este serviço com a excelência que prestamos, juntamente com a confiança e qualidade do nosso trabalho. Prestamos desde treinamentos e capacitações, até monitoramento de toda a estação de tratamento.

Somos uma empresa júnior e por isso contamos com uma tabela de preço muito mais acessível, além de termos todo o apoio da faculdade de Engenharia Química – Universidade Federal de Uberlândia para que a sua empresa seja sustentável – sem espalhar doenças para a sociedade, tenha os seus efluentes dentro das normas e não gaste com eventuais multas. Clique abaixo para pedir um diagnóstico gratuito da sua empresa!

Escrito por Fernando Garcia Friaça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.